Seu Navegador não tem suporte a esse JavaScript!
 
Piraju, 24 de outubro de 2018



Exposição na Câmara de Piraju marca a Revolução de 32

Por Cristiano Amorim 

Com acervo rico de peças, a Câmara Municipal de Piraju recebe a exposição da Revolução Constitucionalista de 1932. O evento seguirá até a próxima sexta-feira (13), no popular salão Redondo do prédio do Legislativo. Entre as peças da coleção, estão: fotos, livros, fardas, armas, dinheiro, munições, fragmentos de guerra, documentos e diversos itens de Pirajuenses que participaram deste ato.

A história da Revolução de 1932

A Revolução Constitucionalista de 1932, também conhecida como Revolução de 1932 ou Guerra Paulista, foi o movimento armado ocorrido no Estado de São Paulo, entre julho e outubro de 1932, que tinha por objetivo derrubar o governo provisório de Getúlio Vargas e a convocar uma Assembleia Nacional Constituinte.

De acordo com o professor de história moderna e patrimônio cultural da Universidade do Sagrado Coração (USC), Fábio Paride Pallotta, que é neto do ex-combatente Durval Guedes de Azevedo, grande parte dos voluntários acreditava que, de fato, fazia o bem por São Paulo.

Na verdade, o Estado buscava se manter no poder, após o golpe de 1930, quando o gaúcho Getúlio Vargas assumiu a Presidência da República.

"Mesmo assim, a Revolução de 32 foi importante, porque impulsionou um arranjo político entre Vargas e a elite paulista", argumenta ele.

O estopim da Revolução Constitucionalista foi a morte dos estudantes Mário Martins de Almeida, Euclides Miragaia, Dráusio Marcondes de Sousa e Antônio Camargo de Andrade, durante a tentativa de invasão da sede de um jornal favorável ao regime varguista, em 23 de maio de 1932.

A sigla M.M.D.C., que remete às iniciais dos nomes pelos quais os estudantes mortos eram conhecidos (Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo), se transformaram no símbolo do movimento.

Data: 10-07-2018 22:30:17